26 de ago de 2010

Sobre a 16ª rodada

A vitória convincente do Corinthians no clássico contra o São Paulo indicava que a equipe estava pronta para vencer atuando fora de casa. Puro engano. O técnico Adílson Batista recuou Elias e deixou Jucilei mais solto na criação do meio de campo. Depois da partida, o comandante explicou que pretendia surpreender o Cruzeiro, seu ex clube. Na verdade, Adílson é quem foi pego de surpresa. O gol do time mineiro logo aos três minutos do primeiro tempo foi o suficiente para derrotar o Corinthians, que viu o Fluminense abrir cinco pontos na liderança.

No Morumbi, nenhuma novidade. O São Paulo não venceu e tampouco marcou gols. Até chegou algumas vezes ao ataque, mas ninguém teve a capacidade de acertar a rede do Vasco. Com apenas um ponto ganho, o Tricolor enxerga a zona do rebaixamento cada mais de perto.

O Santos, que ameaçou entrar numa crise, venceu mais uma. Os três pontos conquistados fora de casa contra o Grêmio, garantiu o Peixe no G4. Neymar novamente apresentou um bom futebol. Dorival Júnior encaixou algumas peças na equipe que tem dado certo. A notícia ruim foi a contusão no joelho de Paulo Henrique Ganso. Desde já registro aqui minhas vibrações positivas para que o camisa 10 não tenha sofrido uma lesão grave e que volte aos gramados o quanto antes. O futebol brasileiro precisa do talento desse menino.

19 de ago de 2010

Inter é Bi - Parabéns

Foto: agência EFE


Nada mais justo abrir uma exceção e, desta vez, sair das fronteiras da capital paulista. Afinal, ontem foi a final da Libertadores. Apesar de nenhuma equipe de São Paulo estar envolvida, o Internacional representou o Brasil.

- É Deus, é Deus, é Deus!

Quem assistiu o Internacional sendo campeão pela segunda vez em sua história, se recorda bem do momento que essa palavra, que acabou formando uma frase, foi dita.

Para mim, a imagem que marcou a história desse jogo.

Leandro Damião que entrou no lugar de Rafael Sobis recebeu o passe simples, mas perfeito de Guiñazu, um drible da vaca no zagueiro permitiu o contra-ataque perfeito.

Depois do chute forte, que o goleirão do Chivas quase defendeu, o momento ápice do futebol, o gol. Esse gol, porém, foi diferente. Foi um gol que comoveu a todos que gostam de futebol, torcedores ou não do Colorado.

Eu, que nada tinha a ver com o jogo, fiquei emocionado. Um gol que não teve tanta beleza, mas foi de arrepiar e de encher os olhos.

A torcida também foi fundamental para completar a beleza do espetáculo. Aquele mesmo Beira Rio lotado que daqui alguns anos estará recebendo jogos da Copa do Mundo, parecia que ontem estava diferente. Acho que é o clima de uma final de Libertadores que é capaz disso.

Nesta quinta-feira, dia 19, mesmo dia que esse que vos escreve vinha ao mundo a vinte e três anos atrás, só me resta dar os parabéns ao Internacional e a toda sua torcida espalhada por todo país. E agradecer também, porque esse é o tipo de jogo que mostra o motivo de eu amar o futebol.

15 de ago de 2010

Timão cai na Ressacada


Não é muito difícil definir a derrota do Corinthians hoje contra o Avaí. Simples, o time jogou mal e o placar foi justo.
Adílson escalou sua equipe com três volantes. Ralf, Jucilei e Elias. Os três, aliás, só jogaram no primeiro tempo. O último, se quer, quase não tocou na bola na etapa complementar. Senti falta de um meia mais ofensivo para trabalhar junto com Bruno César.

Pouco vi Roberto Carlos chegar ao ataque pela esquerda.

O Corinthians teve que tomar um gol para entrar na partida. Depois que já estava em desvantagem no placar começou a chegar mais no ataque. Bruno César aproveitou a falha da zaga adversária e marcou pela sétima vez no Brasileirão.

Beleza, na volta do intervalo, tudo igual.

Só que, não deu nem tempo da rapaziada ir ao banheiro direito, dar aquela espreguiçada, que o Avaí já estava novamente em vantagem. Desta vez, Chicão fez contra.

No decorrer da partida, a equipe do Parque São Jorge não mostrou poder de reação. Pouco tempo depois os donos da casa ampliaram o resultado.

Adílson Batista fez algumas alterações, Defederico até que entrou bem. Só que foi Bruno César, de novo, quem guardou mais um para sua coleção. O goleirão Renan, presente na primeira lista de Mano Menezes, tomou um frangaço, diga-se de passagem.

O Timão cresceu no jogo. Colocou a bola no chão e criou algumas chances. Mas o Avaí, no entanto, segurou a vitória até o apito final.

Avaí 3, Corinthians 2.

14 de ago de 2010

Enfim, a primeira vitória de Felipão


"Tínhamos que ter mais espírito palmeirense, mais sangue, mais luta". Essa foi a frase que marcou a entrevista coletiva do técnico Luiz Felipe Scolari logo após a partida que rendeu ao treinador a primeira vitória sob o comando do Palmeiras.

O jogo contra o Atlético-PR no Pacaembu não foi nada fácil, apesar do placar aparentemente tranquilo de 2 a 0.

Toda pressão que o Verdão tinha nas costas pela sequência de maus resultados, diminuiu quando o zagueiro Danilo abriu o placar logo no início do jogo.

Como nada anda fácil para o Palmeiras, essa mesma pressão ameaçou voltar no andamento da partida, quando a equipe paranaense buscava o gol a todo instante.

No segundo tempo, Felipão foi expulso de campo e nem teve a chance de ver do gramado o gol que definiu o resultado a favor do alvi-verde. Tinga, que já tinha dado assistência para Danilo, com um belo passe, deixou Erwethon na cara do gol. O atacante que havia acabado de entrar, fez a bola parar no fundo da rede do goleiro Neto.

Vale lembrar que o Palmeiras jogou boa parte do jogo com um a menos, depois que Tadeu tomou cartão vermelho.

Com muitas mudanças na equipe titular, hoje foi assim!

O Palmeiras jogou bem, mereceu a vitória e acabou com um jejum que estava pertubando o time de Palestra Itália.

Agora a torcida espera que o time volte a jogar com confiança e, principalmente, emplaque uma sequência de vitórias para chegar as posições de cima do Campeonato Brasileiro.

No meio de semana, um ótimo teste. O time precisa vencer o Vitória pela Copa Sul-Americana no mínimo por 2 a 0 para seguir na competição que dá uma vaga na Libertadores do ano que vem.

11 de ago de 2010

E não é que a molecada colocou os americanos na roda...


Que excelente estreia de Mano Menezes na seleção brasileira. Sua convocação não poderia ter sido melhor. Mesmo com apenas dois dias de trabalho, a nova geração nacional representou com muita personalidade nosso país.

Com quinze atletas que estiveram presente na Copa do Mundo, os EUA não viram a cor da bola. Thiago Silva e David Luiz pouco trabalho tiveram, atrás deles, Victor menos ainda.

No meio, Lucas fez muito bem seu papel de volante, enquanto que Ramires, incansável, saiu mais para o jogo e viu de perto Paulo Henrique Ganso mostrar todo seu talento.

Pela direita, Mano deveria ter testado Rafael no lugar de Daniel Alves, que não fez um bom jogo. Do outro lado, André Santos provou ao Dunga que a posição, seguramente, era dele na Copa.

Os entrosados Neymar e Robinho tiveram o auxílio de Alexandre Pato, que por sinal se encaixou muito bem nesse ataque.

A alegria, que há tempos na se tinha ao ver um jogo do Brasil, ontem voltou com força total. Foi empolgante o toque de bola refinado, as jogadas produzidas e alguns lances de efeito. Mano conseguiu atingir seu objetivo. Armou o time bastante ofensivo, e mesmo assim não deu espaço na marcação.

Estou otimista com essa base. Claro que alguns jogadores mais experientes serão muito bem vindo, mas certamente o caminho para o hexa começou em grande estilo.

O jogo se tornou fácil por mérito dos nossos jogadores.

Parabéns Brasil, parabéns Mano e parabéns a todos os jogadores que estiveram em campo nessa brilhante vitória.

Ontem foi um dos dias, no qual, me lembrei de como é bom e o orgulho que tenho de ser brasileiro.

9 de ago de 2010

Felipão continua sem vencer

O Palmeiras não vence a cinco partidas, coincidentemente, mesmo número de jogos que Felipão esteve à frente da equipe desde que chegou ao Palestra.

Contra o Goiás, no Serra Dourada, o incontestável treinador errou feio. Com 30 minutos de jogo do segundo tempo, os dois atacantes já tinham sido substituídos. O autor do gol, Ewerthon, deu lugar para o também atacante Luan, que entrou muito mal no jogo. Kleber saiu para a entrada do volante Tinga. Foi muito cedo para querer fechar a equipe. O Goiás mesmo jogando em casa é uma equipe fraca tecnicamente, não era preciso tanta cautela.

O resultado foi esse. Sofreu o gol de empate na falha de Deola e pela quinta vez não consegue somar três pontos na rodada.

Agora, outra verdade tem que ser dita. Não existe treinador que consegue fazer um bom trabalho sem um elenco qualificado. O futebol atual está muito competitivo. Sem bons jogadores, não adianta, fica para trás.

O Palmeiras aos poucos está tentando melhorar seu plantel. Acredito que com o tempo, Luis Felipe irá emplacar com sua equipe. O que incomoda, e isso não têm como negar, é a ansiedade de ainda não ter conquistado nenhuma vitória.

Ontem foi por muito pouco.

6 de ago de 2010

Tricolor vence mas não comemora

Bom, como assisti o debate na Band, ao invés do jogo, vou comentar sobre o que nossos candidatos à presidência falaram na noite de ontem.

Brincadeiraaaaaaa!!! rsrs

Que jogão de bola. O Morumbi recebeu ontem uma das melhores partidas do ano, se não a melhor, incluindo os jogos da Copa do Mundo. O São Paulo levou a pior, mas provou a todos que é, de fato, uma grande equipe. Era visível a disposição e vontade de vencer que os jogadores entraram em campo. Certamente a preparação antes do jogo foi muito bem feita.

O time jogou bem durante todos os 90 minutos. Teve calma, tocou a bola de lado, até que abriu o placar com Alex Silva, depois de um erro grotesco do goleiro Renan. Um toque de cabeça basicamente perfeito, como comentou Henrique Guilherme, da Rádio Transamérica, encheu os são paulinos de esperança.

Alecssandro despejou um balde de água fria na torcida que fazia uma linda festa nas arquibancadas. A leve desviada na bola, após cobrança de falta, deixou tudo igual.

O São Paulo não se abateu. Hernanes jogando muita bola empurrou o time para frente. Ricardo Oliveira entendeu o recado e marcou o segundo do Tricolor. Mas parou por aí. A defesa do Internacional não falhou novamente. Com uma marcação muito consistente, os Colorados conseguiram segurar o resultado até o final.

Inter classificado e garantido no Mundial de Clubes no final do ano.

Mesmo eliminado o São Paulo está de parabéns por ter lutado até o fim. Faltou pouco para ser o finalista.
Agora é levantar a cabeça e encarar com a mesma motivação a seqüência do Campeonato Brasileiro.

2 de ago de 2010

Tudo igual no clássico


O clássico foi polêmico. Alguns lances foram assunto principal dos programas esportivos. Foi gol impedido validado, foi pênalti não marcado, enfim, o árbitro Paulo César de Oliveira acabou sendo o personagem principal da partida.

Em relação ao que de fato interessa, o jogo, foi aquilo que se espera de um Palmeiras e Corinthians.

As arquibancadas do Pacaembu lotadas, a maioria de palmeirenses, já que o mando era do Verdão. No gramado, muita disposição por parte das duas equipes.

O Corinthians começou melhor. Bruno César comandava a equipe que chegou com mais frequência no campo de ataque. Enquanto isso o Palmeiras não se encontrava na partida.

A pressão do alvi-negro resultou num golaço do baixinho Jorge Henrique, que fez a fiel pular após abrir o placar de letra.

Por incrível que pareça, o Palmeiras melhorou depois do gol sofrido. Foi a vez da equipe de Luiz Felipe Scolari colocar a bola no chão. O Corinthians acuado, não segurou a pressão por muito tempo.

Numa bola alçada na área, quem diria, o questionado Edinho aproveitou o rebote e com muita calma, deixou tudo igual.

O jogo foi emocionante até o apito final. Várias chances foram criadas, mas desperdiçadas de ambos os lados. Embora não tenha sido um resultado bom para nenhum dos dois, foi justo.

No Palmeiras, Felipão ainda não conseguiu vencer desde que assumiu o comando da equipe, que continua numa posição medíocre no campeonato. No Corinthians, o estreante do dia, Adilson Batista, viu seu time perder a liderança para o Fluminense.